DISFUNÇÃO ERÉCTIL - ERECTILE DYSFUNCTION












 Ler em Português     

Read in English


A Disfunção Eréctil (DE) consiste na incapacidade persistente que o homem tem em não conseguir manter e alcançar uma erecção que permita a realização e manutenção de um acto sexual, durante pelo menos 3 meses.

A disfunção eréctil não deve ser confundida com a falta ou diminuição no "apetite sexual", nem como dificuldade em ejacular ou em atingir o orgasmo. De um modo geral, quase todos aqueles que são sexualmente ativos já experimentaram um episódio de disfunção erétil pelo menos uma vez na vida, o que pode ocorrer por uma variedade de razões, como cansaço extremo,a ingestão de alccol ou a presença de um trauma psicológico recente. Actualmente sabe-se que, em mais de metade dos casos, existe um problema físico ou uma alteração orgânica, que pode ser agravada por fatores psicológicos.

As principais DE’s são caracterizadas por:
- Ausência de erecção/ rigidez peniana
- Erecção parcial
- Erecção fugaz e rápida
- Erecção dismórfica, por alterações congénitas e/ou adquiridas dos corpos cavernosos.

O processo da erecção pode ser sub-dividido em 4 fases:
- Fase de repouso: ausência de impulsos centrais.
- Fase de preenchimento: aumento do fluxo sanguíneo
- Fase de rigidez completa: bloqueio do retorno venoso
- Fase de detumescência

As disfunções erécteis podem ter origem em várias causas que perturbem algum dos seguintes mecanismos:

- Capacidade do pénis para se encher de sangue.
- Equilíbrio entre a entrada e saída de sangue desse órgão.
- Controlo pelo sistema nervoso, através da componente consciente/voluntária e da componente reflexa/involuntária.

Segundo a Medicina Chinesa as causas principais desta patologia são:

• Excesso de atividade sexual e/ou de masturbação, acompanhado de emissões seminais
frequentes;
• Ansiedade e medo – afeta C e R e/ou C e BP;
• Descida de calor húmido – pénis não atinge uma ereção satisfatória;
• Outras causas e sintomas – doença prolongada, constituição física fraca, excesso de
masturbação em jovens, lassitude, joelhos/quadris fracos, aversão ao frio, membros frios e
dificuldade em urinar.

Assim podemos diferenciar síndromes de Deficiência e de Excesso:

SÍNDROMES DE DEFICIÊNCIA
1. Declínio do fogo do Ming Men
2. Deficiência C – BP
3. Deficiência do R devido a medo

SÍNDROMES DE EXCESSO
1. Estagnação Qi F
2. Descida de Humidade Calor

O tratamento das condições de excesso engloba:
- acalmar o F;
- clarificar Calor;
- eliminar a HM;
- resolver a Estase.

Nas condições de vazio temos princípios de tratamento como:
- aquecer e fortalecer o Yang do R
- nutrir a Essência
- regular Qi e Sg.

Podem e devem ser integradas algumas técnicas para potenciar o efeito da abordagem em MTC, um dos exemplos é o caso de exercícios específicos para a zona pélvica e genital. Nos homens é especialmente importante trabalharem o pavimento pélvico para diminuir o calor tóxico daquela área e para regular a testosterona.
Hoje em dias muitos homens passam maior parte do tempo sentados e utilizam roupa interior muito apertada o que potencia o aumento de calor, ao estimular os testículos retira-se energia e aumenta-se a produção e qualidade de espermatozóides.
Para além dos efeitos a nível testicular a estimulação desta região aumenta os movimentos da próstata, sendo especialmente importante para os homens após os 40 anos de idade.


Artigo por Ana José, baseado nos trabalhos de Ivo Mendes e a Mafalda Carôco.